Tumores queimados em um segundo: uma descoberta excepcional por um físico italiano

09/07/2019

Será possível queimar alguns tumores em um segundo graças ao uso de feixes de elétrons gerados por laser: foi o que descobriu um cientista de Bari, Gabriele Grittani, que trabalha no centro de pesquisas Eli-Beamlines em Dolni Brezany, a poucos quilômetros de Praga. Grittani, um jovem físico nuclear, patenteou o novo sistema que promete maior eficácia na luta contra o câncer, particularmente no tratamento do câncer de pulmão e próstata.

Gabriele Grittani
Gabriele Grittani

«Está em curso - explica Grittani - a realização de um protótipo indispensável para iniciar a fase experimental de uma radioterapia que representa um ponto de viragem histórica no campo dos tumores. As vantagens desta descoberta são muitas. Os elétrons são mais rápidos e mais leves que os prótons usados ​​atualmente. Portanto, uma terapia baseada em elétrons é certamente mais rápida, menos invasiva e mais econômica. Além disso, graças à tecnologia laser, o maquinário permite o monitoramento em tempo real da posição do tumor, o que envolve um maior controle sobre a terapia do paciente ». Grittani, nascido em Bari, se formou em Pisa, mudou-se para Praga para um doutorado em pesquisa e agora trabalha no centro de pesquisa, desenvolvendo novas tecnologias baseadas em laserplasma.

Pesquisadores italianos nos dão orgulho
Pesquisadores italianos nos dão orgulho

Orgulho italiano

A tecnologia por trás do maquinário é tão promissora que já foi patenteada pela equipe do Grittani, liderada pelo Dr. George Korn. Evidentemente, antes que o dispositivo médico instalado em clínicas e hospitais possa ser encontrado, o procedimento experimental deve ser concluído e todas as certificações necessárias devem ser obtidas, de modo que ainda pode levar vários anos, embora as premissas sejam muito encorajadoras. Grittani, antes de ingressar na equipe de Korn, obteve o doutorado em Ciências Nucleares na Universidade Técnica da República Tcheca e formou-se em Física pela Universidade de Pisa. Detalhes sobre a tecnologia usada pelo maquinário foram publicados em alguns artigos científicos, como "HELL: High-Energy Electrons da Laser Light, uma plataforma experimental orientada ao usuário na ELI Beamlines" em Applied Science.