Trabalhadores, expatriados na Itália descontos impostos

09/05/2019

De acordo com estimativas publicadas pelo site italiano, Itália chama a Itália o número de italianos que residiam no exterior no final de 2018 foi de 5.288.281, e a Italia esta de olho nesses cidadãos, propondo uma alteração fiscal que vai ajudar a volta destes italianos ao proprio pais.

Dos artistas aos desportistas, aos gestores, até às pequenas competências profissionais, as autoridades fiscais italianas tornam atraentes, para aqueles que decidem mudar-se e trabalhar em Itália <impatriados> (Italianos que moram no exterior fisicamente e fiscalmente e voltam para Itália) com descontos de rendimento em alguns casos até 90%. Estes são os efeitos do Decreto de Crescimento (n.34 / 2019) em vigor desde 1 de maio passado, que reescreve a disciplina para a atração de capital humano na Itália. As novas regras fortalecem os atuais incentivos para quem se deslocar a partir de 2020.

Há uma redução adicional que leva à tributação de apenas 10% da renda produzida na Itália para os <impatriados> (Italianos que moram no exterior fisicamente e fiscalmente e voltam para Itália) que se deslocam para as regiões do sul.

Nesse caso, as regiões envolvidas são:

Abruzzo;

Molise;

Campania;

Puglia;

Basilicata;

Calabria;

Sardegna;

Sicilia.

Naturalmente, mesmo neste caso, as condições descritas acima se aplicam para residentes no exterior a pelo menos 2 anos, com o compromisso de permanecer na Itália, pelos próximos 2 anos trabalhando.

Bônus mesmo sem registro no AIRE (Anagrafe Italiani residenti all`Estero). Professores e pesquisadores devem vir de países com acordos tributários com a Itália.

As informações com aconselhamentos e respostas no site FISCOMANIA .