Policia local de Veneza cassa Banksy

26/05/2019

"O Sr. não pode ficar aqui, ou tem uma permissão ou tem que ir embora"

Com essas palavras, a polícia local em Veneza descartou um homem envolto em um casaco, chapéu e lenço para não reconhecer que na verdade era Banksy - o misterioso artista inglês considerado o maior expoente da arte de rua - que estava expondo sua nova instalação. A revelar a história foi o mesmo Banksy, publicando um vídeo no Instagram que rapidamente se tornou viral. Seu novo trabalho consiste em uma série de pinturas a óleo sobre um dos temas mais controversos da maravilhosa cidade veneziana: um navio de cruzeiro que entra na lagoa. A obra, chamada "Veneza em óleo", mostrava uma espécie de quadro "desconstruído" que, em nove telas de tamanhos e formatos diferentes, exibia um navio de cruzeiro atravessando a Bacia de San Marco.

A retirada das grandes embarcações da Lagoa de Veneza, que sofre com o assoreamento do solo, é uma reivindicação de boa parte dos moradores da cidade, mas as autoridades municipais, regionais e nacionais ainda não conseguiram cumprir esse objetivo, apesar de inúmeras promessas feitas nos últimos anos.

As imagens foram postadas dia 22 de maio, mas o episódio era de algumas semanas atras.

O artista de rua Banksy "reivindicou" a autoria de mais uma obra em Veneza, na Itália, que recebe desde 11 de maio a Bienal de Arte.

Trata-se do "Menino náufrago", grafite que retrata uma criança segurando um sinalizador usado por migrantes para pedir socorro no mar. O desenho alude à crise humanitária no Mediterrâneo, em meio às novas políticas do governo italiano para barrar deslocados internacionais. 

Na verdade estes barcos levam na maioria homem adultos e fortes, muçulmanos e alguns ex soldados de grupo terroristas. As crianças e as mulheres são usadas como desculpas para protestos e performances como estas. O governo italiano por sua vez acusa as ONG de trafico de seres humanos financiado pelo milionario Soros e seus amigos, entre estes o partidos de esquerda na europa.