Itália e o Gelo em Marte

21/12/2018

Em imagens 3D da sonda Mars Express, divulgada pela Agência Espacial Europeia, o imenso "depósito" de gelo perene no planeta vermelho.

A cratera congelada parece uma enorme pista de gelo no meio do deserto, fantastica. É a imagem divulgada pela Agência Espacial Européia (ESA) capturada pela Mars Express em órbita ao redor da cratera de Korolev, em Marte. Na realidade é um mosaico de cinco fotos tiradas pela câmera de alta resolução (High Resolution Stereo Camera, HRSC) de diferentes perspectivas e coletadas em 15 anos de sobrevoo, que vão compor um retrato tridimensional do glaciar permanente.

A Cratera Korolev, batizada em homenagem ao pioneiro da tecnologia espacial Sergei Korolev e com 82 quilômetros de largura, está localizada nas planícies do extremo norte de Marte, não muito longe da imensidão de dunas conhecida como Olympia Undae. A geleira, geralmente com cerca de 2 quilômetros, é mantida dentro da cratera graças ao fenômeno conhecido como "armadilha fria", que vê as correntes de ar mais frias empurrando para baixo criando as condições ideais para que a tampa sobreviva, apesar das altas temperaturas na superfície da cratera do planeta vermelho.

A missão da Mars Express começou em 2 de junho de 2003 e a sonda chegou a Marte seis meses depois: em 25 de dezembro, ela celebrará seu 15º aniversário em órbita ao redor do planeta vermelho.

O Mars Express é uma sonda da Agência Espacial Europeia lançada no espaço para estudar o planeta Marte. Foi lançado em 2 de junho de 2003 pelo Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, usando um lançador da Sojuz e chegou a Marte seis meses depois: em 25 de dezembro, ela celebrará seu 15º aniversário em órbita ao redor do planeta vermelho. O nome Express deriva do tempo reduzido que leva para chegar ao planeta vermelho. Na verdade, foram 60.000 anos desde que os dois planetas não estavam tão próximos. O nome também se refere à velocidade e eficiência com as quais a sonda foi projetada e construída. A sonda foi construída pelo consórcio Astrium com o apoio de outras empresas europeias, incluindo a italiana Alenia Spazio e a Officine Galileo. A missão foi prolongada até 2022.