Bolsonaro Star em Davos

23/01/2019

Serão a 'Globalização 4.0' e seus mecanismos, os temas centrais do encontro anual do Fórum Econômico Mundial, que será aberto esta semana em Davos, na Suíça. Mas os tópicos que abordarão os mais de 3.000 líderes mundiais empreendedores, financeiros, governamentais, acadêmicos, da sociedade civil, das artes e da cultura serão os mais diversos em mais de 350 sessões de trabalho planejadas. Os grandes nomes do planeta também discutirão o meio ambiente, segurança cibernética, reformas institucionais, desafios globais e crescimento econômico. 

O Estadão de São Paulo em relação ao discurso disse: O discurso do presidente Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial em Davos foi na medida: curto, com a duração preferida pelos participantes do conclave. Chegou a ser histórico ao constatar o fato de que o Brasil é o país que mais preserva a natureza no mundo ao manter uma imensa floresta tropical. Só faltou acrescentar a existência de reservas indígenas enormes, caso da Raposa Terra do Sol. O comentário mais justo por aqui foi o de William Waack em seu canal Painel WW no YouTube, elogiando a simplicidade do texto. A qualidade foi reforçada pela imagem do almoço solitário num restaurante popular num supermercado, que ranhetas usaram como exemplo de sua irrelevância. Hahaha!

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/bolsonaro-fala-bem-em-davos/

A verdadeira estrela será o presidente brasileiro, Jair Messias Bolsonaro, um dos principais protagonistas desta edição, que promete apresentar "um Brasil diferente", como escreveu no Twitter. Este ano há ausências importantes, começando com a do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que cancelou sua visita devido ao fechamento e consequente corte das despesas da administração dos EUA, decidido pelo próprio Trump em sua batalha por obrigando o Congresso a financiar o muro ao longo da fronteira mexicana. Não haverá sequer uma delegação americana em Davos, onde o secretário de Estado Mike Pompeo e o tesoureiro Steven Mnuchin são esperados. Outro importante ausente será a primeira-ministra britânica, Theresa May, em meio à incerteza sobre o Brexit, uma questão que preocupa as grandes empresas que temem uma saída sem um acordo da União Européia na data prevista para 29 de março. Nem mesmo o presidente francês Emmanuel Macron estará presente, enfrentando os protestos dos "coletes amarelos". A chanceler alemã, Angela Merkel, participará de um painel de discussão. O programa oficial cobre muitos tópicos, da poluição plástica à felicidade, da inteligência artificial ao papel das mulheres nas empresas. Mas Davos ainda é principalmente um ponto de encontro para a elite do planeta. As obras começarão oficialmente na terça-feira, mas já na segunda-feira haverá dois eventos importantes: o Fundo Monetário Internacional publicará suas previsões sobre a economia mundial, no mesmo dia em que a Oxfam publica seu relatório anual sobre desigualdades.

Davos Suíça Sede do Forum Economico Mundial
Davos Suíça Sede do Forum Economico Mundial

A cúpula da famosa cidade Suíça verá, no que diz respeito à Itália, a participação do primeiro-ministro Giuseppe Conte e do ministro da Economia, Giovanni Tria. O primeiro será o protagonista de um "encontro especial" marcado para a tarde de quarta-feira, o segundo participará no mesmo dia de um debate sobre o crescimento europeu com o comissário europeu Pierre Moscovici. À margem da cúpula, é provável que Davos também seja a ocasião para uma primeira reunião, após a prisão de Cesare Battisti, entre Conte e o presidente brasileiro Bolsonaro.