Besta gigante de Leonardo da Vinci

01/05/2019

Besta gigante de Leonardo da Vinci em exposição na cidade de Trani na região da Puglia. Do projeto do grande gênio da Renascença ao gigantesco trabalho do Eng. Giuseppe Manisco. Por ocasião do 500º aniversário da morte do gênio de Anchiano, a arma de 22 metros de comprimento com um arco de 24 metros será operada amanha 2 de maio em direção ao mar. Posicionada na Praça Re Manfredi, aos pés do Castelo de Frederico e da Catedral, a arma será operada publicamente, a partir das 13h30, horário de Brasilia, lançando uma bola de fogo em direção ao mar. A besta gigante, um trabalho impressionante criado pelo engenheiro Giuseppe Manisco, pesa 4 toneladas e meia e estará em exibição de 30 de abril a 10 de maio de 2019.

É a partir de um desenho em sanguíneo e tinta, guardado nas folhas do precioso Código Atlanticus da Ambrosiana de Milão, que nasceu a empresa Manisco: construir a gigantesca besta do grande cientista renascentista cinco séculos após sua morte. Nunca construída pelo gênio, mas apenas projetada, agora construída por um estudioso cuidadoso e apaixonado pelas máquinas de Leonardo, que a reproduziu em tamanho real, seguindo as indicações do grande cientista para as dimensões: "onde a corda é colocada". 42 braços "(24 metros do arco), e para o" tinieri "(22 metros).

Uma estrutura de madeira, feita de seções lamelares, montada em 6 rodas para o movimento, construída de forma totalmente artesanal, com as mesmas técnicas utilizadas na época, que é o forjamento de ferro e a madeira trabalhada à mão. A besta é a 133ª máquina de Leonardo que o engenheiro realizou. Tudo começou a partir da "Lancia sassi", a primeira máquina que ele construiu, há cerca de 15 anos. A idéia original de Leonardo, conforme descrita nos cadernos do "Código Atlanticus (1488-1489), folha 149r, Várias armas e besta gigante", era construir uma besta gigante para aumentar o alcance do dardo, criando pânico e susto entre os inimigos. A ideia do projeto deve ser inserida no clima histórico daqueles anos. O grande cientista da Toscana nunca realizou muitas das máquinas que projetou, na verdade ele considerou a guerra "uma coisa muito bestial", tendo grande respeito e respeito pelo homem.

Um evento extraordinário que faz parte das iniciativas organizadas pelo Palazzo delle Arti Beltrani para as celebrações do grande gênio de todos os tempos, começou a partir de 6 de abril com a inauguração da exposição "Il Genio. 500 anos de maravilha ". Até 30 de junho, de fato, de terça a domingo, das 10h às 18h, no Palazzo delle Arti Beltrani em Trani (BT) Italia, é possível admirar, seguindo um caminho comentado, a engenhosidade visionária e protéica de Leonardo da Vinci, através de 40 máquinas de guerra e não, parte da coleção do engenheiro Manisco, construída de acordo com anotações e desenhos dos códigos de Leonardo.