— Des. Renzo Leonardi   -  Del. Fábio Pinto —

Já Presidente da APAMAGIS (Associação Paulista de Magistrados), onde exerceu também o cargo de Presidente do Conselho Consuntivo, Orientador e Fiscal (atualmente Conselheiro), presidente do GAJ (Grupo de Apoio ao Judiciário), Desembargador Renzo Leonardi, italiano e brasileiro, mas falando um italiano perfeito até com sotaque fiorentino é o entrevistado de hoje de Djávlon e junto com ele o Delegado responsável pela Assessoria da Policial Civil que atende ao Judiciário, no Fórum João Mendes Júnior, Fábio Augusto Pinto, também italo-brasileiro e muito competente. Além da entrevista nos une a paixão pelo basquete, jogadores ambos, junto com o avô do Fábio, Angelo Bonfietti. Eu na seleção militar italiana, eles no Corinthians de basquete e seleção do Brasil.

Renzo Leonardi me fale desta italianidade?

A verdade é que sou filho de dois italianos, Enrico Giuseppe Leonardi, meu pai, e Itala Cioni, minha mãe, nascidos os dois na toscana, ele de Firenze (Florença) ela de Lucca, cresci com amor pelos dois países. Meu pai, foi um dos jovens militares italianos que participou a primeira guerra mundial. Ele falava muito desta época e contava Historias, como aquela onde ele se salvou de um avião de guerra austriaco (inimigo na guerra), que metralhando a área, havia matado todos os que desciam a montanha com ele, correndo e pulando atrás de pequenos muros divisórios por vários minutos, conseguiu fugir das rajadas, até terminar a munição.

Desembargador e sua mãe?

Minha mãe era a mais esperta do casal, ela convenceu meu pai a emigrar, antes da segunda guerra, mesmo ele de acordo com o governo da época entendeu que aquilo não iria dar certo. Aqui tinhamos parentes e ficou mais fácil.

La mamma era uma grande mulher, originaria de Lucca uma verdadeira toscana. Recentemente fui ate Lucca, só com as lembranças da mamãe de um campanario que tocava sempre e de um número cívico; e encontrei no mesmo lugar, parte da família.

Visitou a Italia quantas vezes?

Na realidade nem lembro, a cada oportunidade ia lá. Foram tantas vezes e tantos lugares que posso lhe indicar um restaurante bom, em cada cidade, incluindo cidades na Sicilia.

Ah! Esteve na Sicilia? Eu amo muito esta terra!

Andrea a Sicilia foi uma das viagens mais lindas, Taormina, Acireale, Palermo, até almocei em Corleone a cidade do Poderoso Chefão (risos), uma terra verdadeira com perfume do mar, onde degustei o melhor sorvete da minha vida.

Fábio você também esteve a pouco na Sicilia?

Sim foi uma viagem maravilhosa, você ouve falar de Roma, Milão, Veneza, Florença e depois descobre o Sul da Italia e isto abre novos horizontes, uma Italia extraordinária, Calábria e Sicilia, comida diferente, doces únicos, mas principalmente histórias maravilhosas e uma ligação entre os sicilianos e calabreses e sua terra, fantástica.

Fábio qual é sua comida preferida?

Lasanha italiana com um bom vinho Primitivo Pugliese.

Renzo Leonardi qual é a sua comida preferida, entenda que para nós italianos isto é muito importante.

Para dizer a Verdade eu tenho dois restaurantes na Italia e a comida deles para mim é toda perfeita o "Meu Pataca" em Piazza dei Mercanti, 30 Roma e a "Cantinetta Antinori" em Piazza Antinori 3, Firenze.

Sei que os dois são Corinthianos e a italianidade como fica?

O Corinthians também foi fundado por italianos, depois vejo o Palestra Italia que agremiaria somente a comunidade italiana, os times no começo caminharam juntos exemplo Raphael Perrone, um dos operários responsáveis por fundar o Timão, em 1º de setembro de 1910, virou sócio e até diretor do Palestra Italia nos anos 30. Ou seja, mais de 15 anos depois da fundação do Palestra, criado em 26 de agosto de 1914. Seu irmão, Giuseppe Perrone, chegou até a presidir os palestrinos nos anos 20, isto significa que na época a comunidade italiana era bem dividida.

Fábio e sua família? Conte-me!

Minha família é meio Mantovana de Suzzara por parte da avó e Napoletana por parte do avô. O avô se tornou Policial na epoca e são três gerações de policiais, eu já com 29 anos de profissão. Minha esposa também é oriunda e meus três filhos tem a cidadania Italiana.

No meio da entrevista chegou mais um Delegado Italiano Ballangio, ai gesticulando e falando alto ensaiamos nossa italianidade.

Renzo Leonardi a justiça brasileira embaixo dos holofotes, bom ou ruim?

Difícil situação, ao mesmo tempo justiceira e vilã.

Desembargador e Delegado, agora Fábio e Renzo uma saudação?

Fábio - Vai Corinthians e Forza Juve

Renzo - A comunidade italiana é forte precisa de mais união.