Eclipse lunar mais longo do século vai acontecer nesta sexta-feira

27/07/2018

Um dos fenômenos mais interessantes da lua poderá ser visto no Brasil. O eclipse lunar mais longo do século, também conhecido como "Lua de Sangue", vai ter duração de 1h42min, mas só parte do fenômeno poderá ser visto no Brasil. O fenômeno inicia às 16h30min, mas a lua ainda não terá nascido.

Na Itália todo o evento acontecerá das 19h13min a 02h31min, mas o clímax chegará as 22h21min e tera seu apogeu das 21h30min as 23h14min aonde poderemos observar o verdadeiro eclipse. Este último ocorre como resultado do alinhamento entre o Sol, a Terra e a Lua nesta ordem (quando o alinhamento é entre Sol, Lua e Terra, vemos um eclipse solar). Só pode ocorrer quando há lua cheia e não precisa de proteções para ser observado.

Sendo um eclipse total, além disso, a Lua ficará vermelha devido a um fenômeno chamado dispersão de Rayleigh que ocorre porque durante o eclipse nosso satélite não recebe luz diretamente do Sol, mas somente aquele que é refletido e difundido da Terra.

A surpreendente duração deste eclipse deve-se à posição da Lua em 27 de julho: o satélite estará de fato a sua distância máxima da Terra, o que nos permitirá observá-lo por mais tempo. Vamos nos consolar, no entanto, já que também teremos Marte para observar.

Na mesma noite, de fato, até mesmo o Planeta Vermelho estará em oposição e próximo ao seu periélio (o período de distância mínima do Sol), que coincide com o momento de máxima visibilidade. Será na realidade uma Grande Oposição, a melhor para admirar depois da famosa oposição de 2003.

O planeta estará na mesma área do céu da lua durante o eclipse e o acompanhará em suas fases, que preverão a penumbra, o momento antes e depois do eclipse no qual a Lua atravessará o cone crepuscular projetado a partir da Terra, e o verdadeiro eclipse, quando a Lua passa para a zona de sombra. Ele será reconhecível graças à sua cor laranja particular, diferente e mais brilhante que as estrelas, e será um dos primeiros objetos astronômicos a serem visíveis no céu após o pôr do sol.